Proposta de um plano de ajuda mútua para atendimento a emergências decorrentes da exploração de petróleo do pré-sal na Bacia de Santos (SP)


Elifas Morais Alves
Mestre em Cidades Inteligentes e Sustentáveis pela Universidade Nove de Julho/SP

Amarilis Lucia Casteli Figueiredo Gallardo
Doutora em Engenharia pela Escola Politécnica da USP; Professora do Programa de Mestrado em Cidades Inteligentes e Sustentáveis e do Programa de Mestrado em Gestão Ambiental e Sustentabilidade da Universidade Nove de Julho /SP

Cláudia Terezinha Kniess
Doutora em Ciência e Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de Santa Catarina; Professora da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Política, Economias e Negócios

Referências

ANP Agência Nacional de Petróleo (2015) Relatório de investigação do incidente de explosão ocorrido no FPSO cidade de São Mateus. Disponível em: <http://www.anp.gov.br/images/EXPLORACAO_E_PRODUCAO_DE_OLEO_E_GAS/Seguranca_Operacional/Relat_incidentes/Sao_Mateus/relatorio_investigacao_11-02-15.pdf>. Acesso  em: 12  fevereiro. 2019

ABIQUIM Associação Brasileira da Indústria Química (2017). Defesa Civil paulista cria comitê para implantação de sistema de gestão ao atendimento a emergências com produtos perigosos na Baixada Santista. Disponível em: <http://abiquim.org.br/comunicacao/noticia/2589>. Acesso em: 25 fevereiro 2020 

ANP Agência Nacional de Petróleo (2016) Resolução 41 de 09 de outubro de 2015 institui o Regulamento técnico do sistema de gerenciamento de segurança operacional de sistemas submarinos. Disponível em:  <http://www.anp.gov.br/exploracao-e-producao-de-oleo-e-gas/seguranca-operacional-e-meio-ambiente/resolucoes-notificacoes-procedimentos-e-orientacoes/gerenciamento-de-seguranca-operacional-de-sistemas-submarinos-sgss. >Acesso em: 15 fevereiro. 2019

ANP Agência Nacional de Petróleo (2017) Bacia de Santos: sumário geológico e setores em oferta. Disponível em: http://rodadas.anp.gov.br/arquivos/Round15/Mapas/Sumario_Geologico_R15_Santos.pdf.  Acesso em 12 de junho 2019 

ANP Agência Nacional de Petróleo (2018) Anuário estatístico brasileiro do petróleo, gás natural e biocombustíveis.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. -  Rio de Janeiro

ALVES, E. N.; AALTONEN, M.) Implementação do Plano Nacional de Contingência. IBAMA. Brasília, p. 117, 2015.

ALVES, E. M. (2018) Plano de ajuda mútua como estratégia aos acidentes tecnológicos no porto de Santos. VII SINGEP, SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DE PROJETOS , INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE, São Paulo, (2018, outubro, 22-23 )

ARAÚJO, G.M. (2005) Segurança na armazenagem, manuseio e transporte de produtos perigosos: gerenciamento de emergência química (2ª ed.) Rio de Janeiro: Gerenciamento verde.

ARAÚJO, G.M. (2013) Sistema de gestão de riscos: estudo de análise de riscos “offshore e onshore (1ª ed.) Rio de Janeiro: Gerenciamento Verde.

AVEN, T. (2015Risk assessment and risk management: Review of recent advances on their foundation. European Journal of Operational Research, Stavanger, 253, 1-13.

AVEN, T.; RENN, O. (2009) On risk defined as an event where the outcome is uncertain. Journal of Risk Research, Stavanger, 12, (1), 1–11.

AZEVEDO, F. G. (2017) Estudo sobre Poços de Alívio para Controle de Blowout em Poço

Marítimo de Gás. Pontifícia Universidade Católica. Rio de Janeiro, p. 249

AZEVEDO, G. et al. (2013) Environmental Risk Analysis in Permiting Process of Oil & Gas Activities in Brazil. SPE EUROPEAN HSE CONFERENCE AND EXIBITION, Londres, (2013, abril, 16-18).

BARDIN, L. (2004) Análise de conteúdo . Edições 70. Lisboa.

BARROS, S.R.S., WASSERMAN, J.C., LIMA, G.B.A. (2010Risco ambiental na zona costeira: uma proposta interdisciplinar de gestão participativa para Planos de Controle a Emergências dos portos brasileirosRevista da Gestão Costeira Integrada, 10 (2), 217-227. 

BEIS. (2016) Guidance notes for preparing Oil Pollution Emergency Plans. Department for Business, Energy and Industrial Strategy. London, p. 88.

BEYER, J.TRANNUM, H.C.,BAKKER, T.,HODSON,P.V.,& COLLIER,T.K.(2016). Environmental effects of the Deepwater Horizon oil spill: A review. Marine Pollution Bulletin, Oslo, v. 110, n. 1, p. 28-51. ISSN 0025-326X. Disponível em:  <https://europepmc.org/article/med/27301686> Acesso em 05  dezembro. 2019.

BRASIL. Decreto Federal n.8.127, de 22 de outubro de 2013. Institui o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional, altera o Decreto nº 4.871, de 6 de novembro de 2003, e o Decreto nº 4.136, de 20 de fevereiro de 2002, e dá outras providências. Disponível em: de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/decreto/d8127.htm > Acesso em 25  fevereiro. 2020.

BRASIL (2019) Ministério Público Federal, Derramamento de óleo no Nordeste.  Disponível em <http://www.mpf.mp.br/grandes-casos/oleo-no-nordeste/duvidas-frequentes> Acesso em 03 novembro. 2019.

BSEE (2016).Prep Guidelines. US Coast Guard; Environmental Protection Agency; Pipeline and Hazardous Materials Safety Administration; Bureau os Safety and Environmental Enforcement. [S.l.], p. 103. Disponível em< https://www.bsee.gov/sites/bsee.gov/files/prep-guidelines-2016-12oct18.pdf> Acesso  em 08  novembro 2019. 

CALIXTO, E.( 2011 ) Contribuições para Plano de Contingência para Derramamento de Petróleo e Derivados no Brasil. (Tese doutorado) Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

CAZARIM, L. (2014) Os cinco maiores acidentes com plataformas de petróleo. Jornal Pelicano, Disponível em <https://www.jornalpelicano.com.br/2014/01/maiores-acidentes-com%20plaaformas-de-petroleo/. >Acesso em 30 outubro,  2018. 

CETESB. (2020) Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Disponível em< https://cetesb.sp.gov.br/ > Acesso  em 22  janeiro de 2020 

COLLIS, J. E HUSSEY, R. .Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação.Porto Alegre: Bookman, 2005.

DHSG. (2011) Final Report on the Investigation of the Macondo Well Blowout. The Deepwater Horizon Study Group. [S.l.], p. 126.

EPA. (2015) National Oil and Hazardous Substances Pollution Contingency Plan. Environmental Protection Agency. Disponível em <https://www.epa.gov/emergency-response/national-oil-and-hazardous-substances-pollution-contingency-plan-ncp-overview >Acesso em 19 de outubro 2019 

EPE (2018) Desafios do pré sal. Disponível em <http://www.epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-227/topico-457/Desafios%20do%20Pre-Sal.pdf.> Acesso em 26 de março 2019.

ÉPOCA, (2019) O plano para conter derrames de petróleo que não foi acionado pelo governo federal para o Nordeste. Disponível em <https://epocanegocios.globo.com/Brasil/noticia/2019/10/o-plano-para-conter-derrames-de-petroleo-que-nao-foi-acionado-pelo-governo-federal-para-o-nordeste.html >Acesso em 26 fevereiro 2020, 

EXAME (2010) Petrobras envia apoio à BP para limpar o Golfo do México. Disponível em <https://exame.abril.com.br/mundo/petrobras-envia-ajuda-bp-limpar-golfo-mexico-556477/ >Acesso em 08  janeiro 2020 

GARCIA, A.C.J. (2014) NR 29 Segurança e saúde no trabalho portuário. [Manual técnico]. Fundacentro, São Paulo, SP, Brasil.

GONÇALVES, H. A. (2014). Manual de metodologia da pesquisa científica. São Paulo: Avercamp.

GRUBESIC, T.H. et al, (2017). Optimizing oil spill cleanup eorts: A tactical approach and evaluation frameworkMarine pollution bulletin, 125, 318- 329.

IBAMA, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (2017). Disponível em:  <http://www.ibama.gov.br/emergencias-ambientais/petroleo-e-derivados/pnc. >Acesso  em 15 de dezembro 2018, 

IBAMA, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis  (2019). Disponível em:<https://www.ibama.gov.br/emergencias-ambientais/gestao-de-riscos/gestao-de-riscos-no-ibama>. Acesso  em: 09 abril. 2019.

IBAMA, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis  (2020). Disponível em< https://www.ibama.gov.br/manchasdeoleo> Acesso em: 15  janeiro. 2020 

IPIECA,  (2013). Oil spill risk assessment and response planning for offshore installations. London, U.K. Disponível em <http://www.oilspillresponseproject.org/wp-content/uploads/2016/02/JIP-6-Oil-spill-risk-assessment.pdf..> Acesso 20 fevereiro. 2019.

IPIECA, (2015). Contingency planning for oil spills on water. London, U.K. Disponível em:, <http://www.ipieca.org/resources/good-practice/contingency-planning-for-oil-spills-on-water/.> Acesso  em: 16 novembro. 2019.

LAINHA, M.A.J. (2011). Proposta de estrutura para a implantação de um sistema de prevenção, preparação e resposta a acidentes ambientais com produtos químicos perigosos, com aplicação no litoral norte do Estado de São Paulo. (Dissertação mestrado), Instituto de Pesquisas Tecnológicas -IPT, São Paulo, SP, Brasil.

MCNUTT, M. K. et al.(2011) Review of flow rate estimates of the Deepwater Horizon oil spillProceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, Corvallis, 109, (50),  20260-20267

MADEIRO, C, (2019). Notícias UOL meio ambiente. Disponível em: < https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2019/10/22/oleo-no-nordeste-o-que-se-sabe-ate-agora-sobre-a-contaminacao-das-praias.htm>  Acesso em:  01  novembro. 2019.

MARTINS, G.A. E THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas (2a ed.) São Paulo: Atlas, 2009.

 MARTINS, S., AZEVEDO, M., SILVA, M., & SILVA, V. (2015). Produção de petróleo e impactos ambientais: algumas considerações. Holos, 6, 54-76.Disponível em:  <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/2201> Acesso em: 21  setembro. 2019.

MARTINEZ, P.H., COLACIOS, R.D. (2016) Pré-Sal: Petróleo e políticas públicas no Brasil (2007-2016). FronteirasJournal of Social, Technological and Environmental Science. 5, (1), 145-167. Disponível em:< http://periodicos.unievangelica.edu.br/portal/revista.php.> Acesso  em: 05  maio.  2019.

MINERAL. (2014) Relatório de Impacto Ambiental da atividade de produção e escoamento de petróleo e gás natural no polo do Pré - sal da Bacia de Santos etapa 2. Disponível em: <http://www.petrobras.com.br/pt/sociedade-e-meio-ambiente/meio-ambiente/licenciamento-ambiental/.> Acesso em: 09  agosto. 2018.

MORAIS. J.M.  Petróleo em águas profundas Brasília: Ipea, 2013.

MOREIRA, J. L. P., MADEIRA, C. V., GIL, J. A., MACHADO, M. A. P. (2007). Bacia de Santos - Boletim de Geociências da Petrobras, Rio de Janeiro, 15 (2), 531-549.

MULER, M., ROMERO, A.F., RIEDEL, P.S., &PERINOTTO, R.R.C. (2011) Ações de Resposta para Emergência em caso de Derrames de Óleo no Mar e Proposta de Implementação de Sistema de Informação voltado à Sensibilidade Ambiental para o Litoral Sul Paulista, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada,11 (4), 397-407.

NASPOLINI, G. F. (2018) Prevenção e Resposta ao Derramamento de Petróleo na Exploração e Produção Offshore:Análise Internacional e Recomendações para o Brasil. (Dissertação de mestrado), UFRJ/COPPE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

OLIVEIRA, R.M. (2016) Contribuições às ações de contingência para incidentes de poluição por óleo no contexto offshore no Brasil. (Dissertação de mestrado).UFRJ/COPPE, Rio de Janeiro, RJ ,Brasil.

PEDROSA, L.F. (2012) Análise dos Mecanismos de Planejamento e Resposta para Incidentes com Derramamento de Óleo no Mar: Uma Proposta de Ação. (Dissertação de mestrado). UFRJ/COPPE, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

PETROBRAS. (2018) Pré – sal: desde as primeiras descobertas em águas profundas, temos trilhado uma longa jornada tecnológica. Disponível em: http://www.petrobras.com.br/pt/nossas-atividades/areas-de-atuacao/exploracao-e-producao-de-petroleo-e-gas/pre-sal/. Acesso em: 09 agosto.  2018.

PEREZ, R.C., (2016) Emergências tecnológicas (2ª ed.) Sorocaba: Cidade.

PEREZ, R.C., (2017) Gerenciamento de desastres tecnológicos no Brasil: oportunidades e desafios  Sorocaba: Cidade, 92-94.

POFFO, I.R.F., HADDAD, E, MINNITI, V.M.M. (2005) Gerenciamento de riscos em terminais e a minimização de acidentes ambientais envolvendo produtos químicos V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE MARINHO, SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENGENHARIA NAVAL (SOBENA), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.        

POFFO I. R. F. (2007) Gerenciamento de Riscos Sócio Ambientais no complexo portuário de Santos na ótica Ecossistêmica (Tese doutorado). Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, São Paulo, SP, Brasil.

POFFO, I. R. F. (2011) Percepção de Riscos e Comportamento da Comunidade diante de acidentes ambientais em áreas portuárias de Santos e São Sebastião (Pós-doutorado). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, Brasil.

PONTE, G. P.  Gerenciamento de risco na indústria de petróleo e gás: “Offshore e Onshore”,  Rio de Janeiro, Elsevier 2015.

SANTOS, A.P.M., CRÉTÉ, J.P., SANTANA, M., DI PINTO, M.A., HABIB, M.E.E.D.M. (2017) Interferências do Complexo Portuário em meio urbano UNISANTA Bioscience6 (3), 188-197.

SIQUEIRA, A.C.A. (2017).  Trabalho e cuidado: concepções de portuários sobre a lei de modernização dos portos brasileiros 8630/93. Caderno brasileiro de Terapia Ocupacional, 25(4), 765-777.

SILVA, O. R. GOMESM.B.M. (2012) Impactos das atividades portuárias no sistema estuarino de Santos.  RMS – Revista Metropolitana de Sustentabilidade, (2), 64-81 Disponível em: www.revistaseletronicas.fmu.br/index.php/rms/article/download/186/pdf_1. . Acesso em: 20 junho. 2018.

SOUSA J. N. C.J., (2010). Avaliação da eficiência dos portos utilizando análise envoltória de dados: estudo de caso dos portos da região nordeste do Brasil. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

STÜPP, D.R.G. (2013) Planos de emergência integrados para terminais portuários de contêineres. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil

YIN, R.K.  Estudo de caso- Planejamento e Métodos. (5 ed.). Porto Alegre: Bookman, 2015.

Voltar