Interseccionalidade no planejamento: construir uma cidade convivial com e para as mulheres


Rita de Cássia Gonçalo Alves
Socióloga, Doutoranda em Planejamento Urbano e Regional pelo IPPUR/UFRJ, Mestra em Comunicação Social pela PUC-Rio. Tem experiência nas áreas de sociologia urbana e comunicação socioambiental. Desenvolve pesquisas sobre Religião e Cidade, com foco nos megatemplos evangélicos urbanos e suas interseções nos campos da ética, estética e política nas cidades.

Referências

ACTIONAID. Dossiê Mulher 2016: Por que precisamos de cidades seguras para as mulheres. Disponível em: https://cutt.ly/0mIzuTx. Acesso em: 30 de março de 2021.

ANITUA, Gabriel. História dos Pensamentos Criminológicos. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

ASSIS, Dayane N. Conceição de. Interseccionalidades. Coleção Gênero, Sexualidade e Educação. Salvador: UFBA, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências; Superintendência de Educação a Distância, 2019.

CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS – CAGED. Índice de evolução do Emprego. Consultas Ano 2018. Disponível em: https://cutt.ly/5mIlzxl. Acesso em: 11 de julho de 2021.

ATELIÊ DE HUMANIDADES. Convivialismo: o que é isso? Uma conversa com Allain Caillé. 01/12/2016. Disponível em: https://ateliedehumanidades.com/2016/12/01/10547/. Acesso em: 30 de março de 2021.

CAILLÉ, Allain (Org.) Manifesto Convivialista I: Declaração de interdependência. São Paulo: Annablume, 2013.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Dossiê “Mulher, mulheres”. Estudos Avançados, v. 17, n. 49, Dez. 2003. DOI: 10.1590/S0103-40142003000300008.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 1, p. 99-127, Janeiro/Abril 2016.

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL – CAU-BR. ATHIS-Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social. Um direito e muitas possibilidades (Cartilha). CAU-BR/ CAU-SC, 2018. Disponível em: https://www.caubr.gov.br/wp-content/uploads/2018/12/nova-cartilha.pdf. Acesso em: 11 de julho de 2021.

CONVID – FIOCRUZ. Pesquisa de Comportamentos. Aderência às medidas de restrição social. Maio de 2020. Disponível em: https://convid.fiocruz.br/index.php?pag=isolamento_social. Acesso em: 10 de julho de 2021.

CRENSHAW, Kimberlé. Cartografiando los márgenes: interseccionalidad, políticas identitarias, y violencia contra las mujeres de color. In: PLATERO, Raquel (Lucas) (Ed.). Intersecciones: cuerpos y sexualidades en la encrucijada.Barcelona: Bellaterra, p. 87-123, 2012.

__________. Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. University of Chicago Legal Forum: v. 1989: n. 1, article 8. Disponível em: http://chicagounbound.uchicago.edu/uclf/vol1989/iss1/8. Acesso em: 30 de março de 2021.

DE PAULA, Tainá. A cidade do cuidado. TEDxLaçador (Canal TED Talks Youtube), 18/08/2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_bPV5_Yoxz4. Acesso em: 11 de julho de 2021.

__________. Arquitetando uma nova Rio de Janeiro. Mídia Ninja, 13/10/2020. Disponível em: https://midianinja.org/vereadoresquequeremos/tainadepaula/. Acesso em: 10 de julho de 2021.

FEDERICI, Silvia. Feminismo e a política dos bens comuns. In: Medium.com. 04/04/ 2018. Disponível em: https://cutt.ly/4mIf8mX. Acesso em: 18 de abril de 2021.

__________. Revolution at point zero: housework, reproduction, and feminist struggle. Oakland (California): PM Press, 2012.

FRASER, Nancy. O feminismo, o capitalismo e a astúcia da história. Mediações, v. 14, n. 2, p. 11-33, 2009.

FRASER, Nancy; ARRUZA, Cinzia; BATTACHARYA, Titti. Feminismo para os 99%: Um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

GONZALEZ, Lélia. Mulher negra, essa quilombola. Folha de São Paulo, Caderno Folhetim, 22/11/1961. Disponível em: https://cutt.ly/DmIj20w. Acesso em: 11 de julho de 2021.

__________. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223-244, 1984. Disponível em: https://cutt.ly/omIkyrI. Acesso em: 11 de julho de 2021. 

GRAEBER, David. Bullshit Jobs: a theory. London (UK): Allan Lane Penguin Books, 2018.

HOOKS, bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 16. Brasília, janeiro - abril de 2015, p. 193-210. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151608.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Estatísticas de Gênero. Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Disponível em: https://cutt.ly/cmIgoMk. Acesso em: 30 de março de 2021.

__________. Estatísticas do Registro Civil 2019. Disponível em: https://cutt.ly/xmIfVsN. Acesso em: 10 de julho de 2021.

__________.  Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-Contínua). Principais Resultados. 2019; 2020. Disponível em: https://cutt.ly/dmIfSvX. Acesso em: 10 de julho de 2021.

__________. Características adicionais do mercado de trabalho 2019. PNAD Contínua 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101743_informativo.pdf. Acesso em: 10 de julho de 2021.

INSTITUTO DE SEGURANÇA PÚBLICA – ISP/RJ. Dossiê Mulher 2018. https://cutt.ly/GmIzmbX. Acesso em: 11 de julho de 2021.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS – INEP. Notas Estatísticas – Censo Escolar 2018. Disponível em: https://cutt.ly/NmIluq0. Acesso em: 11 de julho de 2021.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fonte, 2003 [1961].

LORDE, Audre. Irmã outsider: Ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019 [1984].

McCAMANT, Katryn; DURRET, Charles. Creating Cohousing: Building Sustainable Communities. Gabriola Island (Canadá): New Society Publishers, 2011.

MONNET, Nadja. Flanâncias femininas e etnografia. ReDObRa, v. 11, n. 23, p. 218-234, 2009. Disponível em: http://www.redobra.ufba.br/wp-content/uploads/2013/06/redobra11_23.pdf. Acesso em: 31 de março de 2021.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? .Belo Horizonte: Letramento, 2017.

RISÉRIO, Antonio. Mulher, casa e cidade. São Paulo: Editora 34, 2015.

UN-HABITAT. World Cities Report 2020: The value of sustainable urbanization. Disponível em: https://unhabitat.org/World%20Cities%20Report%202020. Acesso em: 10 de julho de 2021.

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: UBU, 2021.

WEIGERT, Mariana de Assis Brasil e; CARVALHO, Salo. Criminologia Feminista com Criminologia Crítica: Perspectivas teóricas e teses convergentes. Revista Direito e Práxis, v. 11, n. 3, 2020, p.1783-1814. DOI: 10.1590/2179-8966/2019/38240.

WERNECK, Jurema Pinto. O samba segundo as Ialodês: mulheres negras e cultura midiática. Tese de doutorado. 2007. Programa de Pós-Graduação em Comunciação, ECO-Pós/UFRJ, 2007.

Download PDF

Voltar